Solange Bezerra:Consulado Americano

 

Qual a história da sua Trajetória Profissional?

Iniciei minha carreira profissional aos 17 anos de idade.  Levava minha vidinha de estudante e de explicadora (professora naquela época) quando minha mãe me disse que soube por um amigo que havia uma vaga de recepcionista bilíngue no Royal Bank of Canada e que não precisava de experiência. Ela mesma marcou a entrevista e lá fui eu sem saber que ali estaria começando tudo que me levou a chegar onde estou hoje.

Era umBanco estrangeiro e a vaga necessitava que falasse inglês básico. Meu inglês ainda era de iniciante. Lá eles me ensinaram as frases simples que precisava falar. Além de Good Morning, Please e Thank you, aprendi a dizer: Would you like a check book? What type – plain, with the sunset, or with the waterfalls? How many?  Naquela época já demonstrava gosto por desafios. Pois, e se alguém prolongasse a conversa em inglês? Então procurei saber e aprendi a expressão: Wait a moment please, someone will help you!

Em alguns meses no cargo comecei a me sentir bem naquele ambiente diferente, cheio de executivos e secretárias experientes. Aprendi tudo o que pude, continuei estudando inglês e fiquei um ano e meio no Banco.  Lendo os classificados, descobri que a Companhia e Cervejaria Brahma abriu uma vaga na área internacional da Diretoria de Marketing, no Setor de Exportação e Importação, e o salário era o dobro do meu! Enviei o meu curriculum e fui chamada para entrevista. Passei nos testes e fui contratada. Trabalhei na Brahma por quatro anos.

O Royal Bank of Canada, onde havia trabalhado, foi comprado pelo Bank of America e encerrou suas atividades no Brasil.

O Bank of America abriu um escritório de representação no Rio de Janeiro e fui convidada a voltar a trabalhar com meus antigos amigos em uma nova empresa! A proposta era irrecusável! Mais uma vez o salário era o dobro do meu e os desafios de ser Trainee na Área de Crédito por um ano e depois ser promovida a Analista de Crédito Internacional. Não pensei duas vezes, mergulhei de cabeça nesse novo desafio, passei em todos os testes, e fui contratada. Fiquei 11 anos no Bank of America. Nove anos no Rio de Janeiro e dois em São Paulo.

Como fui contratada para trabalhar para a maior potência do mundo, o Governo dos Estados Unidos? Sou uma carioca de carteirinha, amo a vida ao ar livre, a praia, o sol, não gosto de dirigir! Depois de dois anos em Sampa estava com muita saudade da família, e da minha vidinha de carioca da gema! Quando morei em Sao Paulo, o Bank of America ficava no mesmo prédio do Consulado Americano, nos Jardins.  Foi lá que fiquei sabendo que o Consulado no Rio tinha vaga aberta para Assessora Econômica para o Cônsul de Minas e Energia. Dessa vez o salário não era o dobro! Mas o desafio mais uma vez estava ali, latente, na minha frente. Havia me formado em Economia e nunca havia trabalhado com Economia Mineral, mas decidi tentar, por que não? Concorri com mais de 40 candidatos e consegui a vaga.

Trabalho há mais de 25 anos para o Governo dos EUA, e talvez alguém se pergunte: -Onde estão desafios de executar o mesmo trabalho por tanto tempo?  Mas a trajetória no Consulado foi muito dinâmica. Não permaneceu a mesma rotina o tempo todo. Comecei no Setor de Minas e Energia que depois se tornou o Setor de Economia. Com o passar de alguns anos, houve uma fusão do Setor Econômico com o Setor Político, que cuidava também de Meio Ambiente, Ciência, Tecnologia e Saúde. Recebi durante anos diversos tipos de treinamento em Washington nas áreas de Ciências Políticas,  Economia, Inovação, Liderança, Gestão de Pessoas, Meio Ambiente, Ciência, Tecnologia e Saúde.

Tenho outras funções no  Governo dos EUA, sou facilitadora nas áreas de Liderança e Gestão de Pessoas, ministrando cursos no Brasil e no exterior, e também estou cumprindo o oitavo mandato como Presidente eleita da JFK, a cooperativa dos funcionários da missão diplomática dos EUA no Brasil, que é um banco de médio porte.

Atualmente faço parte desse time fantástico do Pepitas Secretaries Club e  com muito orgulho integro a equipe de organização desse extraordinário evento que é o FISEC RIO 2017.

Qual o papel da secretária executiva nos dias de hoje?

A secretária executiva deve estar devidamente atualizada com as novas tecnologias. Torna-se fundamental buscar a qualificação profissional e ter uma mentalidade criativa e inovadora. Existem algumas qualidades imprescindíveis na secretária executiva nos dias hoje. Uma das primeiras coisas que ela deve ter em mente é a necessidade de superar expectativas. Outra ótima qualidade é ter iniciativa; a maioria das profissionais faz tudo o que tem que ser feito, mas que tal ir além?  Fazer previsões e antecipar são ótimas práticas! Não existe sensação melhor do que informar à chefia, que as suas tarefas foram concluídas antes do prazo!

O que você pode dizer sobre empatia e positividade e como se aplicam à sua vida pessoal e profissional.

A empatia significa ter a percepção do ponto de vista da outra pessoa, ou seja, imaginar-se estar na mesma situação do outro. Entendendo como o seu interlocutor pensa, você tem mais facilidade de conversar com ele e atrair sua atenção e compreensão.

Ouvir com atenção e perceber sinceramente o que está sendo dito. Olhar para a pessoa nos olhos enquanto ela fala, sem julgar ou dividir sua atenção com outros pensamentos. É se colocar no plano da outra pessoa para que ambos se entendam mutuamente e o diálogo flua perfeitamente.  Quando temos essa habilidade bem desenvolvida, nosso poder de atração aumenta e possibilita a construção de relações mais saudáveis, fortalecendo sua cumplicidade com o próximo.  

No ambiente de trabalho a empatia é importantissima, porque um líder empático é capaz de compreender melhor os seus subordinados, de desenvolver e formar equipes, identificando os pontos fracos e reforçando aptidões, e criando laços de confiança.

Positividade é voce ter fé, e a fé é a ausência de medo. Uma mentalidade positiva não só afeta nossas atitudes no trabalho, mas também os seus resultados.  O impacto das nossas ações sobre os outros é muito importante, por isso um grande líder precisa ser positivo. Quando um chefe aparece e os subordinados se transformam, o humor cai, as idéias desaparecem e o ambiente fica pesado, é sinal que ele não está no caminho certo.

Positividade e Inteligência Emocional juntos tem clara influência no ambiente organizacional, produtividade e performance.

O que te motiva e te transforma?

Desafios e reconhecimento! Amo viver experiências transformadoras. A palavra não praticamente é inexistente no meu dia a dia profissional ou familiar. Nunca me dou o direito de analisar um projeto com uma atitude negativa, por mais impossível que ele possa parecer. E são esses desafios que me motivam e me transformam.

 

 

Se você assumisse um cargo gerencial, quais as características que você buscaria na sua secretária?

Competência e comprometimento! Ser uma pessoa cordial com todos, em todos os níveis.  Responsável, positiva, ter bom humor, foco no cliente, e uma agilidade estratégica.

O que esperar do Painel de Tendências e Inovações em Secretariado Executivo?

O público terá a excelente oportunidade de conhecer perfis bem diferentes e experiências incríveis de executivas com trajetórias fascinantes e inspiradoras. E isso proporcionará reflexões e muitas discussões que sem dúvida encorajarão a seguir adiante nessa profissão sem limites, que a cada dia se inova e se transforma.